Cosmologia e práticas rituais Kaingang.

Autor: 
VEIGA, Juracilda,
Resumo: 

Essa tese busca compreender a cosmologia Kaingang a partir de três rituais: A festa do Kuiâ (xamã), A festa do Kikikoi e o Ritual de purificação da viúva. Esses três rituais simbolizam diferentes tempos que estou chamando de os três tempos do mundo, considerando que a cosmologia Kaingang está assentada sobre ciclos de conflagração e regeneração da terra. Esses rituais que tomam de empréstimos alguns símbolos cristãos estão, no entanto, profundamente pautados sobre uma concepção própria do mundo, justificados por mitos que são atualizados durante suas celebrações. Esses três rituais estão relacionados à celebração da agricultura, à volta dos mortos numa festa de confraternização entre vivos e mortos e na posterior separação desses espaços. o estudo dos três rituais mencionadospermite perceber que as referências cosmológicas dos Kaingang estão sustentadasem símbolos multireferenciais que se recobrem. As variações encontradas podem ser explicadas como um mesmo ciclo ritual que se partiu, ou como o desenvolvimento de diferentes tradições que, no entanto, expressam uma mesma simbologia: A vida na terra é dependente do destino dos mortos porque a sociedade dos vivos é eternamente recriada pelos ancestrais mortos: "nossos troncos ", "nossos antigos ". A cosmologia Kaingang está também ancorada na possibilidade de contato, entre diferentes espécies de espíritos, que habitam o cosmos, realizados através da capacidade de comunicação dos humanos com eles e da metamorfose entre diferentes maneiras de ser.

Referência: VEIGA, J. Cosmologia e práticas rituais Kaingang. 2000. 367 p. Tese (doutorado em antropologia social). Instituto de Filosofia e Ciências Humanas. Universidade Estadual de Campinas, São Paulo, 2000. 

Palavras-chave: 
Indios da America do Sul - Religião e Mitologia , Índios Kaingang , Cosmologia , Onomástica.